00:00:00
Home / Cidade / AABB disponibiliza ao público em geral as redações e cartazes vencedores do 14º Concurso Fenabb Cultural

AABB disponibiliza ao público em geral as redações e cartazes vencedores do 14º Concurso Fenabb Cultural

 

A Associação Atlética Banco do Brasil (AABB) de Junqueirópolis e a Divisão Municipal de Educação realizaram no último dia 27 de maio, a premiação do 14º Concurso Fenabb Cultural. Ao todo, a competição cultural reuniu 1.873 trabalhos, entre cartazes e redações, abordando o tema “Ética e cidadania: Respeito no espaço escolar”.

Abaixo, vamos destacar as redações e cartazes classificados em primeiros lugares de cada escola, que foi disponibilizado com exclusividade para o portal JD.

Confira a redação da estudante do 7º ano da E.E. Prof. Geraldo Pecorari, Jaiane Lima Foguer. A aluna foi orientada pela professora Katia Elaine de Souza Barreto.

Jaiane Lima Foguer

“Em nossa vida e em nosso cotidiano, temos muitas atitudes, algumas pensadas e planejadas, e outras que nem pensamos antes de agir. Na escola por exemplo, temos muitas dessas atitudes, e muitas que são erradas; mas que podem ser resolvidas, com um simples, pedido de perdão. Ter ética também é isso: reconhecer seu erro, e dar o seu melhor para repará-lo. Mas e quando se trata, de ética e cidadania no espaço escolar? Então, até as pequenas atitudes contam.

Na escola, podemos ter várias iniciativas, das quais ajudam a ter uma convivência melhor com os amigos, os funcionários e os professores, como: respeitar o próximo, o tratando como você quer ser tratado não agredindo, tanto psicologicamente, como fisicamente, seguir regras da escola, sem infringir ou violá-las (pois não estamos em nossa casa e devemos entender isso). Pedir perdão por atitudes erradas, e pensar nos outros como em si mesmo, até porque, quem não gosta de ser tratado com respeito não é mesmo? E afinal, ética é isso: solidariedade. Pensando nisso, devemos respeitar os professores, pois respeito gera respeito, é como se fosse uma semente, se você plantar frutas boas, é o que você colherá, por isso, respeitemos as diferenças. Para finalizar, a ética é e sempre será uma semente de fruto bons em nossa vida, por isso, plante-a no seu coração e em suas atitudes, isso vai melhorar sua vida e sua convivência, lembre-se disso! (sic)*”  

Da E.E. Prof. Idene Rodriguês dos Santos, a vencedora foi a aluna do 9º ano, Ana Clara Bispo Viana. Confira a redação da estudante que foi orientada pela professora Kátia Pelegrino.

Ana Clara Bispo Viana

“Nós passamos vinte e cinco horas semanais na escola, com uma turma média de trinta estudantes, seis aulas por dia, oito a doze matérias para aprendermos com professores diferentes.

Além das diferenças físicas, cada aluno vem com uma educação de casa, são diferentes intelectualmente, uns tem mais dificuldades do que outros, cada um com seus pensamentos e personalidades únicas e todos reunidos em uma sala durante todo o ano letivo. É um grande desafio para os professores conseguirem manter a ordem para ensinar. Há muita conversa, desrespeito, falta de interesse e até brigas. O professor (a) gasta muito tempo da aula chamando a atenção e cada minuto de uma aula é precioso.

Os princípios não tem mais o mesmo valor, a ética e o respeito tem se perdido no meio desses jovens desinteressados.

A escola funciona como base na vida das crianças e adolescentes no que diz respeito ao que é ser um cidadão, porém esse trabalho não deve se limitar apenas a escola, devendo apresentar continuidade no lar.

Assim, se cada aluno, for ensinado adequadamente nos seus lares e o processo de formação de valores forem introduzidos na sua educação, a escola vai auxiliar e apoiar esses adolescentes para que eles possam ser inseridos na complexidade da nossa sociedade atual. Com a ética e a cidadania mais presentes nas escolas, as novas gerações entenderão o verdadeiro significado para a vida, da importância da paz e da harmonia entre as pessoas. (sic)*”

Orientada pela professora Jaqueline da Prata Santos, a aluna Maria Fernanda S. V. Bitencourti, cursando o 9º ano na Escola 13 de Junho – Colégio Objetivo, também teve a sua redação classificada em primeiro lugar. Confira.

Maria Fernanda Bitencourti

“Muitas vezes no meio escolar as pessoas, por estarem acostumadas com aquele meio, ou com as pessoas que ali convivem, acabam perdendo o senso de respeito, confundem também desrespeito com intimidade, ou até mesmo a falta dela.

Muitos jovens, principalmente adolescentes, acham que por não terem intimidade com um determinado colega de classe ou professor, não têm que respeitá-lo, mas devemos respeitar a todos, tanto a quem temos mais intimidade quanto quem não conhecemos, e isso é uma questão de ética, de respeito.

Como passamos a maior parte do tempo nas escolas, o respeito se torna muito importante para termos uma boa convivência com as pessoas que ali se encontram, tornando assim o ambiente agradável, o que é saudável tanto ao nosso rendimento, quanto à saúde mental. 

Se nos encontrarmos presentes diariamente em uma escola onde não há respeito e ética, nos frustramos muito e tendemos a ser infelizes. Um desses casos é o Bulling, em que um aluno deprecia o outro por características estéticas, manias ou até mesmo bens materiais. Isso pode estar ligado ao desrespeito, falta de ética, imaturidade, ou ele pode estar fazendo isso simplesmente por chamar a atenção e se sentir superior.

Muitos podem querer se sentir superior para compensar suas inseguranças, afinal muita vezes, pela falta de respeito, um colega zomba do outro por este não ser tão bom em determinada matéria ou não conseguir entender corretamente o assunto, e isso, apesar de parecer banal, pode ser impactante na vida de um adolescente, que esta a procura de ser aceito nesse ambiente em que convive.

Muitas escolas são extremamente respeitoso, e isso pode não ser o caminho mais correto, pois, direcionam os alunos a se comportar assim por medo,  e não por isso ser ético, não por ser o correto.Isso acaba gerando em alguns o medo e em outros a rebeldia, pois não querem obedecer simplesmente por serem obrigados, o que acaba apenas complicando as coisas e não educando realmente os adolescentes.

Claro que a falta de maturidade de muitos interfere nesse ambiente escolar, afinal às vezes eles não entendem que os professores são rígidos para ensiná-los a se organizar e discipliná-los, o que ajuda muito os alunos a se administrar melhor o seu tempo. Os alunos acham muitas vezes que os professores fazem isso apenas por “chatice” e os tratam de forma desrespeitosa.

A família e a escola são fundamentais para o bom desenvolvimento da ética e da cidadania. (sic)”

Cartazes classificados em primeiros lugares

Júlia dos Santos Carvalho (4º ano) – Profª. orientadora: Fernanda Rodriguês (Neyde Macedo)
Manuella Giliolli Gomes (3º ano) – Professora orientadora: Lívia Parússolo (Colégio Objetivo)
Geovana Liberato Braga (4º ano) – Profª. orientadora: Sandra Regina Tomilheiro (Shigueko Iwaki)
Lorena de Moraes Rocha (5º ano) – Profª. orientadora: Ana Paula Forti Gabriel (Jair Luiz)

 

* Sic é um advérbio latino que em português significa “assim”, “desse modo”, “desta forma” “exatamente assim” e “assim mesmo”. O termo empregado entre parênteses no curso de uma citação é para indicar que o texto original está reproduzido exatamente como o autor escreveu.

Comente com o Facebook !!

Sobre Gilmar Pinato

Jornalismo-Faculdade de Comunicação Social Helio Alonso- Rio de Janeiro (RJ), 1986- MTb 24.051 -Estágio Jornal O Estado de São Paulo (S.P. ag/dez.88). -Assessor de Imprensa Oficina Cultural Timochenco Wehbi (P.Pte-SP) -Repórter Jornal O Imparcial (P. Pte). -Produtor TV Fronteira- (P. Pte) -Repórter Jornal O Liberal, Araçatuba (SP), -Assessor de Imprensa Parlamentar- Assembleia Legislativa (Alesp). -Repórter Jornal Regional- Dracena (SP).

Veja Também

Alunos do município visitam o Parque Estadual do Aguapeí

(Ass. Imprensa-Prefeitura) – Professores e alunos das escolas municipais  de Junqueirópolis,  participaram nesta semana do ...